Campanha de vacinação contra o vírus Influenza inicia nesta quarta em Nova Mutum

09/04/2019 16h52 - Atualizado em 09/04/2019 16h52
Por: Edinaldo Nogueira – Assessoria

Tem início na próxima quarta-feira, 10, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe em Nova Mutum. A Campanha tem por objetivo reduzir as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelo vírus da Influenza, na população alvo para a vacinação.

 

A meta da Secretaria de Saúde de Nova Mutum é imunizar 7.700 pessoas. Nesta primeira fase, serão priorizadas crianças com idade entre 1 e 6 anos, grávidas em qualquer período gestacional e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto).

Jeruza Vidrik, coordenadora da Vigilância em Saúde, explica que este existe uma determinação do Ministério da Saúde para que do dia 10 a 19 de abril sejam atendidas apenas os grupos prioritário de crianças (6 meses a menores de 6 anos) e gestantes. "Essa mudança se deu por conta da baixa adesão desses grupos na campanha de vacinação do ano de 2018. Ou seja, nesse período os outros grupos não poderão ser imunizados", explica.

A partir de 22 de abril, todo o público-alvo da campanha poderá receber a dose, incluindo trabalhadores da saúde, povos indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

Este ano a Campanha foi antecipada em cerca de 15 dias em relação aos anos anteriores. A imunização segue até o dia 31 de maio.

 

Metas por grupos Crianças de seis meses a menores de seis anos: 3.730 Gestantes: 712 Trabalhadores da Saúde: 733 Puérperas: 117 Idosos: 1.270 Pessoas com doenças crônicas: 610 Professores em sala de aula: 579

A doença A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus e, consequentemente, maior ou menor número de casos e mortes.

No Brasil, devido a diferenças climáticas e geográficas, podem ocorrer diferentes intensidades de sazonalidade da influenza e em diferentes períodos nas unidades federadas. No caso específico do Amazonas, a circulação, de acordo com o ministério, segue o período sazonal da doença potencializado pelas chuvas e enchentes e consequente aglomeração de pessoas.